Equipa Pastoral Familiar

Equipa Paroquial da Pastoral Familiar 2018/2019

 

 

Famílias missionárias

 

Esta é a primeira dificuldade da pastoral, que tomamos como desafio. Passar de uma pastoral sobre a família ou para a família a uma pastoral em família, com a família, da família, de modo que as famílias se tornem sujeitos ativos da pastoral familiar (cf. AL 200; 287). “Gosto de ver a santidade no povo paciente de Deus: nos pais que criam os seus filhos com tanto amor, nos homens e mulheres que trabalham a fim de trazer o pão para casa” (Papa Francisco, Gaudete et exsultate, 7).

 

Como é que as nossas famílias se podem tornar missionárias”? Em jeito de Decálogo, podemos dizer que uma família torna-se missionária…

 

  1. Pela irradiação, junto dos amigos, da alegria do amor na própria vida familiar. O amor dos pais e dos casais é, para os filhos, a primeira experiência do amor de Deus. Pais felizes tornam os seus filhos felizes e aprendizes do amor.
  2. Pela experiência da oração em família, que abre o coração a Deus e as mãos aos irmãos. “A família que reza unida permanece unida” (AL 227).
  3. Pela experiência da celebração da fé em comunidade, que faz a família sair de si mesma e unir-se à grande família dos filhos de Deus, da qual se faz parte pelo Batismo. Depois, a Eucaristia dominical “é força e estímulo para viver cada dia a aliança matrimonial, como igreja doméstica” (AL 318). Não é bom que o homem esteja só, não é bom que o casal esteja só, não é bom que a família esteja só. As famílias precisam da Igreja e a Igreja precisa das famílias.
  4. Pelo anúncio explícito da Boa Nova, adaptada a cada pessoa: “a família é o lugar onde os pais se tornam os primeiros mestres da fé para seus filhos” (AL 16). A sala de jantar, o cantinho para rezar são as primeiras salas de catequese!
  5. Pelo acompanhamento atento dos filhos, na catequese ou noutros grupos eclesiais. Os pais, primeiros e insubstituíveis educadores da fé, não podem delegar a sua missão. Podem apenas contar com a ajuda de outros para cumprir a missão que, em primeiro lugar, lhes diz respeito.
  6. Pelo discernimento atento da vocação dos filhos, dos seus sonhos e ideais. Na família, todos devem entreajudar-se para que cada um “assuma a totalidade da vida como missão”(GE 23). “Também a decisão de se casar e formar uma família deve ser fruto de um discernimento vocacional” (AL 72).
  7. Pelo apoio dos casais cristãos a outros casais, na disponibilidade para os acolher, preparar, formar e acompanhar, ao longo da vida.
  8. Pela aproximação discreta, atenta, generosa e solidária a outras famílias, às vezes da própria família, provadas pela miséria, pela solidão, pela divisão.
  9. Pelo exercício da misericórdia, do perdão e da reconciliação no seio da própria família. A experiência do dom e do perdão a todos renova no amor!
  10. Pelo testemunho da misericórdia com os casais, cujo matrimónio fracassou, fazendo-lhes sentir que Deus nunca se divorcia ou distancia de quem quer seja.

 

Há, de facto, um espírito familiar, na pastoral, quando se cuida do acolhimento, sobretudo dos mais frágeis e vulneráveis, quando se desenvolve a proximidade com todos, quando se geram laços de fraternidade e de caridade entre os fiéis, quando se acompanham as pessoas, nos seus momentos e nos eixos existenciais das suas vidas, quando se atende aos percursos pessoais e às etapas de crise e de crescimento de cada um... quando a Igreja se revela então uma “Mãe de coração aberto” (EG 46;47), capaz de acolher e gerar a vida, capaz de alimentar, de perdoar, de curar as feridas e de festejar cada passo, cada etapa (AL 163), da vida e da alegria do amor em família. Fazer crescer a Paróquia, como uma “família de famílias”, como “casa e escola de comunhão” (São João Paulo II, N.M.I.43), em que todos se sintam “como em sua casa” (EG 199), a começar pelos mais pobres e frágeis, é talvez o desafio, que fica a montante de todas as outras atividades, que são levadas a cabo pela Pastoral Familiar.  Talvez a Pastoral Familiar não deva ser “uma agenda de iniciativas e programações pastorais”, “para as famílias”, mas a criação de um clima familiar, na vida das comunidades, em que as famílias se geram e regeneram na fé, em que crescem e frutificam no amor, num processo de geração de vida nova, em que elas mesmas se sentem protagonistas da solicitude da Igreja, por todos, e por cada um, desde o nascimento à morte (cf. J. J. Pérez-Soba).

 

I. Algumas datas e iniciativas relacionadas com a Pastoral Familiar

 

  • 25 de novembro – 5º Encontro Diocesano de Casais Novos – Casa Diocesana de Vilar.
  • 30 de novembro, 21h30 –Encontro Vicarial de formação aberta – tema: Natal e Família.
  • Caminhada diocesana do Advento ao Batismo do Senhor:               
  • Convidar as grávidas ou as mães com filhos ainda por batizar, para uma bênção, antes ou depois do parto, na Solenidade da Imaculada Conceição.
  • Promover um encontro intergeracional, preparado e realizado pelos adolescentes e crismandos, de homenagem e gratidão aos seus avós, em que haja também um espaço para perguntas e respostas, para o testemunho, como aquelas que que se imaginam no diálogo entre Jesus e os doutores da lei (12 de janeiro 2019).
  • Convidar os padrinhos das crianças do 6.º ano, para a comemoração do Batismo dos afilhados, no dia da Festa do Batismo do Senhor. Envolver os grupos do 6.º ano de catequese (que terão este ano a sua Festa da Profissão de Fé).
  • 7 de dezembro – Participar na Vigília da Imaculada Conceição, na Sé do Porto.
  • 30 de dezembro – Festa da Sagrada Família: Participar no Encontro das Sagradas Famílias – sábado, 29 dezembro.
  • 13 de janeiro (16h00): Participar na formação sobre o acompanhamento dos casais em situações irregulares e os pedidos de declaração de nulidade matrimonial:
  • 1.º Tempo (16h00-16h45): Testemunho de uma experiência destinada a "acompanhar, discernir e integrar a fragilidade" dos casais em situações irregulares (AL, cap. VIII) - Pe. Álvaro Balsas 
  • 2º. Tempo (17h00-17h45): Casos-tipo que podem justificar um pedido de nulidade matrimonial e o "modus operandi" para o acolhimento e encaminhamento das pessoas para um pedido de Declaração de Nulidade. A Aplicação do Motu Proprio Mitis iudex Dominus Iesus
  • 3.º tempo (17h45 -18h15):  Diálogo: Perguntas e respostas.
  • 18 de janeiro, 21h30: encontro com noivos da Paróquia: uma conversa sobre os itinerários formativos e um percurso de integração eclesial. Comprometer-se a acompanhá-los… na oração, no dia dos namorados, na Missa…
  • 2 de fevereiro – Jornada Diocesana da Pastoral Familiar, Casa Diocesana de Vilar
  • 14 de fevereiro – Dia dos namorados – Colaboração com Grupo de Jovens
  • 15 de março – 2.º Encontro Vicarial de formação aberta
  • 19 de março – Dia do Pai – Colaboração com a catequese
  • 30 de março – 24 horas para o Senhor (das 20h00 às 21h00, na Igreja Antiga)
  • 5 de maio – Dia da Mãe – Colaboração com a catequese
  • 12 a 19 de maio – Semana da Vida
  • 15 de maio – Oração do Rosário, 21h00, Igreja Antiga (Dia Internacional da Família)
  • 1 de junho – Dia Mundial da Criança – é um sábado…
  • 7 de junho – Encontro Vicarial com os casais jubilados – Preparação do Dia Diocesano da Família
  • 16 de junho – Celebração do Dia Diocesano da Família – Ovar (casais com 10, 25, 50 e 60 anos de casados)

 

II. Encontros de preparação para o Matrimónio

 

TEMAS

EPM I

EPM II

EPM III

ACOLHIMENTO

Sexta, 1 de março,

21h30-23h00

Terça, 30 de abril,

21h30-23h00

Sexta, 5 de julho,

21h00-23h30

 

PROJETO DE VIDA

EM COMUM

Sábado, 2 de março,

21h30-23h30

Sexta, 3 de maio,

21h30-23h30

 

AMOR FECUNDO

Sábado, 9 de março,

21h30-23h30

Sexta, 10 de maio,

21h30-23h30

Sábado, 6 de julho,

10h00-12h00

 

 

 

 

SACRAMENTO

DO

MATRIMÓNIO

Sábado, 16 de março,

21h30-23h30

Sexta, 17 de maio,

21h30-23h30

Sábado, 6 de julho,

15h00-17h30

 

MATRIMÓNIO E

RELAÇÕES EXTERNAS

Domingo, 24 de março,

15h30-17h00

Domingo, 19 de maio,

15h30-17h00

Domingo, 7 de julho,

15h30-17h00

CONVÍVIO

Domingo, 24 de março,

17h00-18h00

Domingo, 19 de maio,

17h00-18h00

Domingo, 7 de julho,

17h00-18h00

O RITUAL

DO MATRIMÓNIO

Domingo, 24 de março,

18h00-18h45

Domingo, 19 de maio,

18h00-18h45

Domingo, 7 de julho,

18h00-18h45

BÊNÇÃO DOS NOIVOS

NA MISSA DOMINICAL

Domingo, 24 de março,

19h00-20h00

Domingo, 19 de maio,

19h00-20h00

Domingo, 7 de julho,

19h00-20h00

 

 

III. Outras propostas:

 

  • É imperioso encontrar mais casais para a Equipa e integrar também outras pessoas, não casais, para apoio logístico.
  • Retiro para casais – 14 (jantar) a 16 julho (lanche) – Pe. Mário Garcia, Casa de Soutelo, Braga
  • Retiro para noivos – 16 e 17 de fevereiro / 11 e 12 de maio – sábado, 09h15-21h00; domingo, 09h00 ao almoço – Casa de Soutelo, Braga

 

IV. Calendário das reuniões / atividades 

Datas

Sugestões para a agenda da reunião / atividade

Terça, 13 de novembro, 21h30

Preparar encontro casais novos

Sábado, feriado, 8 dezembro, 16h00

Participar na Bênção das grávidas e mães com filhos p/ batizar

Sábado, 29 de dezembro, 16h00

Participar no Encontro das Sagradas Famílias (incluindo a deste grupo)

Quarta, 9 de janeiro, 21h30

Preparar encontro de acolhimento aos casais no dia 25

Terça, 5 de fevereiro, 21h30

Preparar Dia dos Namorados e próximo EPM de março

Sábado, 30 de março, 20h00-21h00

Participar na iniciativa 24 horas para o Senhor na Igreja Antiga

Quarta, 24 de abril, 21h30

Preparar EPM de maio

Quarta, 15 de maio, 21h00

Oração do Rosário – Igreja Antiga

Terça, 18 de junho, 21h30

Avaliação

 

Sagradas Famílias e oratórios

Uma Família de Famílias

 

 

Potenciando as já criadas «igrejas domésticas», a partir das famílias que já recebem os oratórios do Imaculado Coração de Maria e das Sagradas Famílias, os zeladores irão promover, sob orientação do pároco, dos diáconos, de catequistas, de casais, a organização de encontros, de modo a fazer da Paróquia uma família de famílias.

Sugere-se a criação de uma nova Sagrada Família, na zona  “Londres”, como impulso para a criação do grupo de acolhimento paroquial aos imigrantes brasileiros.

SAGRADAS FAMÍLIAS

ORATÓRIOS

outubro

novembro

janeiro

fevereiro

março

maio

Rosário

na Cidade

junho

julho

7 Bicas –

 1.ª fase

 

Dia 4

16h30

Dia 6

16h30

 

Dia 3

16h30

Dia 27

21h00

09

16h30

 

Barranha

 

Dia 11

16h30

 

Dia 3

16h30

Dia 10

16h30

 

7 julho

Sete Bicas – 3.ª fase

Dia 13

21h30

Dia 23

21h30

Cripta

Dia 11

21h30

Dia 22

21h30

Dia 29

22h00

 “24 horas Senhor”

Dia 1

21h00

Dia 28

Convívio

 

 

Árvore Grossa I e II

 

 

Dia 18

16h00

 

Dia 17

16h30

 

Dia 20

21h00

 

 

Londres

 

 

 

 

 

Dia 6

21h00

 

 

 

Rua do Senhor

(sextas-feiras)

 

Dia 13

14h30

(Cripta)

 

Dia 09

21h00

 

Dia 11

21h00

 

Dia 8

21h00

 

Dia 8

21h00

14 junho

21h00

 

 

 

– Sábado, 29 de dezembro, 16h00 – Encontro de todas as sagradas famílias na Missa

– Sombreado cinza – Pároco preside

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Equipa da Pastoral Familiar 2018/2019

 

Ana Paula Dias Pinto Negrão
António Manuel Dias Lobo
António Pereira Antunes
Eli Cruz Pereira
Graça das Neves Xavier
Isabel Maria Lourenço Carvalho
Joaquim da Silva Pereira Americano 
José Gaspar Marques de Oliveira Reis
José Parreira Lopes
José Vasconcelos Magalhães
Josélia de Sousa Goulart Pereira
Maria da Conceição Faria Condeço Antunes
Maria de Fátima Guerreio Fróis
Maria do Céu Americano
Maria Isabel Alves Ramalho Lopes
Mário Henrique Fernandes Guedes Negrão
Rui Alexandre Gonçalves Mendes Ribeiro
Rui Miguel Alves Dias de Sousa
Sandra Cristina Lapa Silva Ribeiro
Sandra Maria Teixeira Rabaçal de Sousa
Sérgio Miguel Miranda Ribeiro
Teresa Magalhães Lobo
Vitor Jorge Pinto Ruano
Zulmira Margarida da Cruz Monteiro Magalhães

 

Equipa de Casais de Nossa Senhora (Nossa Senhora da Hora 2)

Reconciliação, sinal de amor

 

A Equipa de Casais de Nossa Senhora da Hora 2 tem como conselheiro espiritual o pároco,

que, tomando a inspiração do Papa Francisco, desafia os casais a comprometerem-se mais ativamente na pastoral familiar,

desenvolvendo o seu compromisso missionário, mediante a irradiação da vida familiar, o acolhimento e acompanhamento de casais mais jovens,

antes e depois do Matrimónio, a proximidade às famílias feridas. Neste espírito deverão participar.

 

Este ano segue o “Tema de estudo: Reconciliação, sinal de amor”.

 

Datas dos encontros

Temas

de estudo

Casal orientador

Casal

hóspede

10 de novembro

Cap. 1

Julieta/Daniel

Isabel/Rui

1 de dezembro

Cap. 3

Isabel/Rui

Paula/Fernando

5 de janeiro

Cap. 4

Paula/Fernando

Paula/Mário

2 de fevereiro

Cap. 5

Paula/Mário

Paula/Miguel

23 de março

Cap. 6

Paula/Miguel

Julieta/Daniel

13 de abril

Ceia Judaica

Agrupamento Escuteiros

4 de maio

Cap. 7

Daniel/Julieta

Isabel/Rui

1 de junho

Cap. 8

Isabel/Rui

Paula/Fernando

13 de julho

Balanço

Casais e filhos

Pe. Gonçalo

 

Outras atividades:

  • Participar na Iniciativa 24 horas para o Senhor – sábado, 30 de março, 21h00-21h30
  • Participar na Oração do Rosário, sexta, 24 de maio, 21h00 – Igreja Antiga
  • Participar em outras iniciativas do Movimento – cf. calendário de atividades das ENS

Top

A Paróquia Senhora da Hora utiliza cookies para lhe garantir a melhor experiência enquanto utilizador. Ao continuar a navegar no site, concorda com a utilização destes cookies. Para saber mais sobre os cookies que usamos e como apagá-los, veja a nossa Política de Privacidade Política de Cookies.

  Eu aceito o uso de cookies deste website.
EU Cookie Directive plugin by www.channeldigital.co.uk